Movimento Futuro

Arrecadado R$ 1.000,00
Web Designer 3%

Meta R$ 72.960,00

Encontrar emprego não é tarefa fácil. O problema sempre existiu, de acordo com o relatório Education at a Glance 2021 (OCDE) alega que 13% dos jovens brasileiros, de 18 a 24 anos, não estudam e não têm emprego.

Ao longo dos anos de atuação com jovens periféricos, conhecemos inúmeras crianças e adolescentes inspiradores e admiráveis, que só precisam de uma chance para romper com o ciclo da pobreza. E se houvesse essa chance e eles pudessem inspirar mais jovens? Assim, romperiam inúmeros ciclos de pobreza, de exclusão social e incluiriam muitos jovens no mundo do trabalho digno.

Diante de todo esse cenário, a Associação Movimento Futuro criou o projeto Somando com o Futuro, que atua como possibilitador de transformação social, com ingresso digno no mundo do trabalho, valorizando os saberes periféricos e sendo exemplo para ainda mais estudantes. Por meio do projeto, dois jovens, que participaram do jogo Caminho do Futuro quando eram estudantes da escola pública, se tornam facilitadores, de modo que passem a empoderar outros jovens a conquistarem os seus sonhos com a perspectiva do aprender na prática, lutando por uma educação de qualidade e por um futuro com mais possibilidades.

O projeto-piloto

Em 2016, uma das diretoras da Associação conheceu a Escola Estadual Omar Donato Bassani, que se encontra em uma região periférica da cidade de São Bernardo do Campo, no Estado de São Paulo, chamada Pós-balsa, onde a garantia do direito à educação não mostrava ser uma prioridade. Durante três anos, realizou-se o jogo Caminho do Futuro com os estudantes da Escola Estadual para evidenciar a importância de seguirem os seus sonhos e de valorizarem quem são e as suas histórias de vida. Os frutos desses encontros foram muito positivos, como ingresso dos jovens em faculdades de Enfermagem, RH e Pedagogia, dentre outras perspectivas no mundo do trabalho.

Para o projeto-piloto, que se iniciará em 2022, os facilitadores serão os jovens Jonas Melo e Júlia Maria. A motivação pela escolha desses 2 jovens se dá porque, apesar de terem concluído a escola, ainda se encontram marginalizados do mundo do trabalho formal. Ademais, o pós-Balsa é marcado, como todo o país, por falta de oportunidades de trabalhos não precarizados para pessoas negras e pobres e pela falta de perspectivas para os jovens negros e periféricos no mercado de trabalho tradicional. Sem falar da inexistência de propostas transformadoras promovidas por pessoas do local. O projeto visa trazer perspectivas novas para a falta de trabalho qualificado e digno para os jovens da região.

Júlia e Jonas serão os responsáveis pelo planejamento das aulas, articulação com a gestão da escola e com a comunidade. Isto significa que todas as ações e intervenções são planejadas e realizadas com a comunidade e não para ela.

Com o projeto-piloto implementado, é possível reduzir a falta de perspectivas dos estudantes ao final da Educação Básica, pois terão, em alguns anos, vários exemplos de jovens que transformaram as suas vidas, próximos deles, além de incluir no mundo de trabalho jovens negros com inúmeras habilidades desenvolvidas.

Orçamento

O nosso projeto tem um orçamento estimado de R$ 72.960,00 anual, mas para manter o projeto a todo vapor, a nossa meta é de arrecadar R$ 6.080,00 mensais.

Confira a seguir como vai ficar a distribuição dos recursos arrecadados.

2 arquitetos de sonhos - R$ 2.000,00
33%
Vale-transporte 2 arquitetos de sonhos - R$ 80,00
1%
Comunicação e marketing - R$ 1.650,00
27%
Materiais necessários - R$ 200,00
3%
Acompanhamento pedagógico - R$ 1.000,00
16%
Encargos bancários - R$ 500,00
8%
Assessoria administrativa - R$ 650,00
11%

Resultados Esperados

Os resultados esperados se referem aos estudantes do Ensino Médio que participarão e aos facilitadores do projeto. 

No diz respeito aos estudantes do Ensino Médio e tendo como parâmetro de medição das experiências anteriores, com mais de 1500 estudantes, espera-se que:

Mais de 60% dos estudantes tomem mais consciência sobre o seu entorno

Mais de 40% se perceba mais colaborativo

Mais de 80% dos participantes desenvolvam a sua empatia com os outros e com a comunidade

Mais de 60% desenvolva a sua autonomia dentro de uma perspectiva relacional

Mais de 60% afirme ser mais confiante em si mesmo e com mais autoestima

Mais de 70% consiga se sentir realizado com a finalização do projeto comunitário

Mais de 70% dos estudantes afirmem se sentirem mais felizes pois o resultado do projeto foi dentro do seu esperado

Mais de 70% afirme que descobriu algo novo sobre si

E que se inspirem-se na Júlia e no Jonas para construírem seus projetos de vida e sonharem com um futuro mais digno e com inclusão no mercado de trabalho